Share, , Google Plus, Pinterest,

Print

Posted in:

Teste de Fidelidade

Eu não passei.

Obrigado AMC por provar que minha escolha em parar de assistir “The Walking Dead” fez sentido. Nada se compara ao que várias pessoas foram expostas no último domingo e que tive o grande desprazer – ou seria regozijo? – de assistir na segunda-feira, depois de todo o “quiprocó” gerado.

Vamos voltar um pouco no tempo.

Nicholas se mata em cima da caçamba de lixo e derruba o Glenn de tabela. O estimado japa cai no chão, com o corpo do “amigo” por cima, rodeado por DEZENAS de zumbis que começam a cear a refeição que mal saiu do forno. Close na cara de desespero do Glenn. Fim de episódio.

Neste momento, uma chance maravilhosa foi perdida. A oportunidade de mostrar que o personagem pode pagar o preço definitivo por suas ações, ainda mais quando se trata no mundo que a série apresenta.  Todos os arcos acabam com morte, não tem papo. Até pode acontecer de ficar uma perna pelo caminho (né Bob? né Hershel?), mas uma hora a foice vem. E em The Walking Dead, a foice está sempre MUITO perto. Ou deveria.

Mas aí veio aquele mistério. E corre Maggie daqui, Rick dali, Daryl com o comboio e nada. Finalmente, chega o episódio que mostra como Glenn escapou. E aquilo teve o efeito de uma cusparada nos meus olhos. Nunca me senti tão idiota vendo uma série. Faltou respeito, mas o pior foi a falta de responsabilidade com uma história que, entre altos e baixos, estava indo para frente. Até este ponto.

Desde então, deixei TWD de lado. Com exceção para este último episódio.

Não vou me ater e nem comentar o desenrolar dos personagens nesse season finale, já que nunca mais vou me atrever a assistir TWD novamente, mas o tratamento dado aos que acompanham a série não é respeitoso. Isso não é um “gancho” digno para uma próxima temporada. Apenas uma forma ridícula de manter um buzz nestes 6 meses que separam a série da sua sétima temporada. Imagine como será o próximo capítulo.

Este episódio só serviu para que eu não tenha remorso em dar o tiro de misericórdia no cérebro de um zumbi pútrido chamado “The Walking Dead”.

Written by Rafael Tavares

Cada ano mais chato.
Vejo de tudo, mas isso não significa que gosto de tudo o que vejo.

10 posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *